Jeri - Tatajuba


Como descansamos bastante ontem, marcamos o passeio para Tatajuba hoje. O dono da nossa pousada, o Puçá, também tem uma agência de passeios, e nos deu um pequeno desconto para fazer com ele.

Marcamos de sair as 9 hs da pousada. O passeio é feito de bugue, e dura boa parte do dia.

O passeio é feito todo pela praia, passa-se por dunas, lagoas, cidade soterrada pelas dunas – velha Tatajuba – chegando a lagoa do Funil, onde é possível fazer skibunda e tomar banho na água morna da lagoa. Eu fui na velocidade cinco e achei que ia me matar, mas cai a água sem nenhum arranhão. Para descer custa R$ 5,00, quantas vezes quiser, o detalhe é que dificilmente você desce mais de uma vez, pois a subida da duna é bem difícil.

Na volta paramos no Rei da Lagosta, onde o cardápio são os próprios peixes, camarões e lagostas, fresquissimos e a um preço justo. (chorando se consegue um preço ótemo)

Depois de uma deliciosa refeição caseira, voltamos para Jeri, ainda deu tempo de ver o pôr-do-sol na praia.

A noite fomos ao forró, mas entramos muito tarde. O forró funciona de segunda, quarta e sexta. Conhecemos um grupo de paulistanos como nós e ficamos conversando na porta até muito tarde. O bom de lugares assim é que as pessoas estão sempre mais abertas a fazer amizades e trocar experiências de viagens.

Jeri - Por-do-sol na duna


A pousada que ficamos era simples, na rua principal, próxima a praia e tinha café da manhã. O dono, Puçá, também era muito atencioso e gentil.

Tomamos café e saímos para a Praia. Como era o primeiro dia queríamos descansar, sem fazer nenhum passeio.
Fomos a praia e depois de dar uma volta geral de reconhecimento, sentamos no Bar do Alexandre para ler, comer e tomar cerveja.
Próxima a hora do por-do-sol, subimos a Duna do Por-do-sol para apreciar o espetáculo da natureza.
Parece que Jeri é um dos poucos lugares do Brasil onde o sol de põe no mar.
A noite saímos para dar uma volta, mas não tinha nada, pouquíssimo movimento na rua, somente alguns estrangeiros tomando caipirinha, fomos dormir.

Jericoacora - Parte II




Tirei férias novamente em outubro, e como no ano passado eu ia com uma amiga e ela não pode ir, neste fui com ela. Não voltaria se fosse sozinha, porque uma vez para mim é suficiente pra conhecer Jeri. O visual é muito bonito, os passeios são bons, mas uma vez feito todos não há mais muito o que fazer por lá. A noite é bem fraca também.
Chegamos numa segunda. A viagem para lá é difícil, é necessário ir até o aeroporto de Fortaleza, de lá pegar um ônibus (Viação Redenção), ir até Jijoca (+- 4 horas) e de Jijoca pegar um Jardineira (+-2hs) até Jeri.
Chegamos mortas, as 2hs da manhã. Aí era só dormir, não tínhamos nem força pra comer.
Já tínhamos reservado uma pousada de SP, a Pousada do Véio, com o Puçá, um rapaz muito legal, que nos recebeu muito bem.